Dor nas costas é principal causa de afastamento do trabalho

Dor nas costas é a principal causa de afastamento médico entre funcionários em empresas. A informação foi revelada por um levantamento da Gesto, health tech de corretagem de plano de saúde. Em 2018, mostra o levantamento, 11,5% dos atestados médicos analisados tinham como motivo de afastamento dores nas costas. Dores nos ombros, causadas por síndrome do manguito rotador, foram a razão atestada em 4,5% dos documentos.

De acordo com a startup, é a sexta vez consecutiva que a dor nas costas lidera as causas de afastamentos. Uma mudança, porém, é no tempo de afastamento: cresceu três vezes e atingiu, em média, entre 10 e 11 dias de licença.

"O afastamento pode prejudicar o desempenho pessoal do colaborador, mas também da equipe que terá trabalho acumulado e, dependendo da função exercida, pode até afetar os números da companhia como um todo", afirma Fabiana Salles, CEO da Gesto.

A pesquisa, que é realizada desde 2013, mostrou uma particularidade nas informações do último ano. A dor articular aparece como a quarta causa de afastamento, com 2% dos registros. Esse tipo de reclamação não constava entre as cinco principais causas de afastamento desde 2016.

De acordo com a executiva, as dores musculares podem ser causadas por atividades fora do expediente, com exercícios físicos, por exemplo. No entanto, uma rotina de trabalho repetitivo, sob tensão, postura ruim e mal uso das ferramentas de trabalho também colaboram para o alto número de afastamentos por dores nos músculos.

"Para reverter esse quadro, as empresas podem realizar campanhas de incentivo a atividade física ou fazer parceria com academias e oferecer o benefício aos funcionários, implementar aulas de alongamento ou ginástica laboral durante o expediente ou em outro horário oportuno", diz.

A pesquisa da Gesto analisou mais de 78 mil atestados médicos de titulares da assistência de saúde prestada por empresas de diferentes portes que atuam em território nacional.

Fonte: Época Negócios


Voltar